Programa Cisternas já entregou mais de 1.700 tecnologias de acesso à água em áreas rurais do Maranhão

Armazenar água para enfrentar o período da seca deixou de ser uma exclusividade dos grandes produtores. Por meio do Programa Cisternas, executado pelo Sistema de Agricultura Familiar, o Governo do Estado já entregou 409 cisternas escolares de 52 mil litros de água destinadas ao consumo de toda comunidade escolar da rede pública da zona rural, e 1.362 cisternas telhadão multiuso de 25 mil e 16 mil litros de água destinadas à produção de alimentos. Ao todo, o Programa Cisternas já entregou 1.771 tecnologias de acesso à água no Maranhão.

O Sistema de Agricultura Familiar, Sistema SAF, é formado pela Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SAF), Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp/MA) e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma/MA).

“Desde 2016, o Programa Cisternas tem avançado no Maranhão. Até agora, já investimos R$ 17.863.052 milhões, sendo R$ 5.628.539 para construção de 409 cisternas escolares destinadas aos nossos estudantes da zona rural, pois é um direito das crianças terem água de qualidade para o preparo dos alimentos da merenda escolar”, disse o secretário de Estado de Agricultura Familiar, Júlio César Mendonça.

“Também investimos R$ 12.234.512,72 milhões com a construção e entrega de 1.362 cisternas de 25 e 16 mil litros e barreiros de 500 mil litros para fortalecer a produção de alimentos da agricultura familiar, onde, mesmo no período de estiagem, os agricultores terão condições de produzir, ter renda, segurança alimentar e nutricional”, completou o secretário.

O superintendente de Reordenamento Agrário da SAF, Pedro Belo informou que as cisternas já estão melhorando a vida, principalmente dos povos indígenas, que estão se destacando na comercialização por meio do Programa de Compras da Agricultura Familiar (Procaf). No município de Jenipapo dos Vieiras, por exemplo, 24 indígenas estão sendo beneficiados com recurso na ordem de R$ 65.300,00.

Cisternas escolares

O sistema permite a captação de água da chuva que é armazenada em um reservatório com capacidade para até 52 mil litros de água. Construída com placas de cimento, a cisterna garante água de qualidade por até oito meses. Os reservatórios também evitam a contaminação por verminoses e doenças.

Cada cisterna tem um custo médio de R$ 13.700 mil. Antes da construção do reservatório, pais e funcionários das escolas aprendem como armazenar e tratar a água. Durante a capacitação, também são abordados temas como higiene, segurança alimentar e nutricional e como conviver com a seca.

No município de Barra do Corda, na aldeia indígena Tamburi, a escola Teodorico Anacleto da Silva é um exemplo das melhorias que o programa levou para a comunidade. Além de garantir água para abastecer as unidades de ensino, a água também é redistribuída para as famílias da aldeia.

Segundo o cacique Renato Guajajara, antes da cisterna ser construída, os professores enfrentavam dificuldades no abastecimento de água na escola. “Eles tinham que ir em um poço buscar a água para as tarefas diárias, como limpeza; agora, melhorou muito com essa cisterna, facilitou a vida dos professores e de toda a aldeia que também foi beneficiada”.

Cisternas para produção

No Maranhão, o Programa Cisternas tem investimento de R$ 40 milhões para construção de cisternas telhadão multiuso (16 e 25 mil litros) e barreiros de 500 mil litros. O Programa Cisternas é uma ação do Ministério da Cidadania, executado em parceria com os estados. O objetivo é promover o acesso à água para o consumo humano e para a produção de alimentos por meio da implementação de tecnologias sociais simples e de baixo custo.